terça-feira, Agosto 22, 2006

Espinhosa segundo Magalhães Coelho

Mais uma viagem pela minha região, o Dão. A minha paixão. Nunca escondi esse sentimento, nem mesmo da minha mulher. Ela entende e perdoa-me.
Por várias vezes, olhei para duas singelas botelhas que dormiam descansadamente na minha garrafeira. Tardava o momento para voltar a falar com o líquido que elas encerravam. Acabou por acontecer nos longos e frutuosos dias que passei na Beira, junto da família.
Situada em pleno planalto de Vila Nova de Tazém, concelho de Gouveia, a Quinta da Espinhosa foi, no passado, conhecida pelos seus Dão Colibri. Um vinho que as pessoas lá da Terra conheciam e ainda falam. Pessoalmente só vi os rótulos. Eram curiosos, com imagens do passarinho a bater as asas.
Actualmente podemos encontrar vinhos estagiados em carvalho americano, em carvalho francês ou simplesmente em inox. Varietais, bi-varietais, lote. Um conjunto de opções interessantes.
Para vos dizer o que acho sobre este produtor, de forma muito resumida, vou citar-vos o que refere o jornalista José António Salvador no seu guia 2003, o último que lançou. Página 244. "Um Dão retinto e rústico. (...) Para quem ainda põe retincências à qualidade dos vinhos do Dão, talvez comece a mudar a opinião se encontrar o Quinta da Espinhosa Reserva 2000". Eu acrescentaria o seguinte: e o Reserva 2001. São daquelas experiências que um enófilo não deve perder. Fazem-nos crescer.
Quinta da Espinhosa Reserva 2000
Revelou uma cor muito bonita, violeta. No copo mostrou-se espesso, pastoso, com alguma gordura a escorrer pelas paredes de cristal.
Aromaticamente calmo, elegante, sem grandes evidências. Muito aristocrático. Silvestre na fruta e nas flores que oferecia. Frescura balsâmica. Madeira bem envolvida, proporcionando suaves toques de café e cacau.
Na boca revelou-se saboroso, atraente e selecto. Com taninos e acidez discretos, sem grandes agressões ao palato. De abordagem relativamente fácil, consensual. Não se esqueçam que estamos a falar de um vinho do Dão. É, portanto, e acima de tudo, um vinho que identifica uma região, que mostra todo o seu verdadeiro carácter.
Nota Pessoal: 15,5
Quinta da Espinhosa Reserva 2001
Tal como o seu irmão mais velho, a cor que apresentava mostrava alguma densidade e brilho. Os aromas a frutos silvestres, que despoltavam do copo, faziam recordar amoras, envolvidos por uma profusão de cacau e tabaco, proporcionadas por uma madeira correctamente colocada. A baunilha soltava-se alegremente, juntamente com folhas secas, tundra e carqueja. Flores, muitas flores silvestres. O mestre Magalhães Coelho sabia o que fazia...
Na boca os taninos e acidez estavam bem vincados. Espesso e mastigável. Secura muito agradável. Com personalidade, a pedir cuidado na prova e atenção. Uma pequena distracção é suficiente para perdermos uma interessante lição.
Tentem encontrar. Se gostarem, fico contente. Se não, tudo bom na mesma!
Nota Pessoal: 16,5

Posfácio

É a minha pequena e simples homenagem ao enólogo Magalhães Coelho. Um senhor que fez muito pelo Dão, que andava preso do granel e das práticas erróneas que iam colocando esta região num abismo sem retorno.
Juntamente com outros senhores do Dão, trabalhou durante muito tempo com Álvaro Castro, da Quinta da Pellada, tentou inverter a situação apostando na criação de belos vinhos que pudessem dignificar uma região, que no passado foi o berço dos melhores tintos portugueses.

6 comentários:

João Cabral disse...

Pingus, é uma apreciação muito correcta e interessante, já provei e gostei muito, o sabor a frutos silvestres dá-lhe um gosto muito agradável. Quanto ao Dão Colibri, como sabes a Quinta da Espinhosa ainda o produz, é um clássico, que se aconselha o consumo após arejamento de 20 a 30 minutos.

Pingus Vinicus disse...

João, por acaso não sabia que a Espinhosa ainda produzia o Dão Colibri!

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Que belo texto! Na senda do "Pisando em Uvas", ainda bem.

Grande abraço,

N.

PAULO SOUSA disse...

Os meus parabéns pelo excelente blog.

Um abraço

Paulo Sousa

Pingus Vinicus disse...

Paulo Sousa, o meu grande obrigado.

Um abraço Rui Miguel.

alfredo disse...

tenho uma garrafa de vinho de reserva do dão colibri de 1973 para vender.gostaria de saber o seu valor comercial.alguem interessado contactar Alfredo 965453942