segunda-feira, outubro 12, 2015

Herdade do Mouchão

Não querendo explanar um discurso demasiado elitista, devo dizer que conhecer a Herdade do Mouchão, a sua génese, o seu percurso e os seus vinhos, faz parte das obrigações de qualquer tipo ou tipa que goste do vinho.


Mais uma vez, e de modo perfeitamente descomprometido, um grupo de indivíduos, sob a batuta de um aficionado incorrigível, foi desafiado para fazer uma prova com vinhos da Herdade do Mouchão. O mote era muito simples: procurar no mercado as colheitas mais emblemáticas do referido produtor, comprá-las e fatalmente bebê-las. Tudo simples. O produtor, a casa mãe, tomando conhecimento dos desideratos de uma dúzia de plebeus desencartados, e por iniciativa própria, teve a amabilidade de acolher o bando, disponibilizando as suas instalações, guiando uma visita, enquadrando todos os vinhos, que foram sendo provados. Juntaram-se, ainda, algumas surpresas mais recentes e que não estavam previstas por parte da presumível organização. Em registo ligeiro, altamente desprofissionalizado e sem qualquer cuidado nas palavras usadas, foram sendo ouvidos comentários, histórias e desmontadas algumas concepções alternativas.


Debaixo de um ambiente bucólico, cerceado por paredes caiadas e pelas leves ondulações do terreno, foi possível perceber que estávamos perante algo muito especial, onde os vinhos pareciam ser feitos quase à antiga, de forma minimalista, onde os lagares e o engaço fazem parte, ainda, da feitura do Mouchão. Pessoalmente, assumo, não estava à espera de ser confrontado com um processo tão pouco interveniente, com laivos de tipicidade e tradição. Mea culpa.


Sobre os vinhos, apraz dizer, não querendo alongar a prosa sobre o estado de cada garrafa/vinho, que foi perceptível em todas as colheitas, a frescura, a presença do tanino, os toques balsâmicos, a complexidade. Um conjunto de atributos que, de uma forma geral, não são identificativos dos vinhos do Sul. Ainda assim, registo para memória futura as colheitas de 1985, 1995, 1996 e um estrondoso 2002, servido em garrafa Magnum. Não esquecendo, naturalmente, a emblemática colheita de 1963.

4 comentários:

Flavio Henrique disse...

Caro Pingus,
Belas fotos! Sou fã incondicional dos vinhos da Herdade do Mouchão e ainda quero visitá-los. Na semana que se passou, bebi um Mouchão Tonel 3-4 2008 que estava uma maravilha. Vinho senhorío, marcante, que se mantém na memória por muito tempo.
Abraços,
Flávio

Pingus Vinicus disse...

Obrigado Flávio. Foi de facto, uma bela prova e uma bela visita.
Um abraço

Anónimo disse...

O Senhor tem uma sorte fantástica. Mouchão não chega ao palato de qualquer um.

Buchwald

Pingus Vinicus disse...

Sou um tipo privilegiado. Epá adorei esse pseudo nome. Fixola.