quinta-feira, abril 26, 2018

A Liberdade permite

A liberdade permite-me ser um desbocado. Permite-me não ficar preocupado com que acham ou pensam sobre o que digo ou o que penso. A liberdade permite-me obrar para o que não me agrada. A liberdade permite-me, também, elogiar de forma desbragada e sem limites. 


Gosto muito dos vinhos da Quinta de Maritávora. Gosto pelas mais diversas razões, pelos mais diversos motivos. Essencialmente porque mexe com metade do meu código genético, que é transmontano. Transmontano deste lugar. Duriense desta parte do rio Douro. 


Este simples colheita está um mimo. Um vinho branco que prima pelo equilíbrio, pela pureza, pela finura no trato. Contido e sério. Com sabor e com muita frescura. Sem qualquer tique de exuberância aromática, o que só abona a seu favor. E com isto tudo, meus caros amigos e desamigos, encerro a coisa de hoje, dizendo-vos que este é um vinho de enorme qualidade, que encheu todas as medidas. As minhas. 

Sem comentários: