domingo, maio 13, 2018

Provavelmente ...

Antes de começar a palestra do dia, que é dominical, e para não deixar qualquer dúvida a quem perde algum tempo aqui a ler as minhas balelas, aviso, desde já, que este vinho foi-me oferecido. Presumo que terá sido a própria empresa. Como tal, deduzo que irão aparecer mais publicações, avaliações, classificações e quejandos, feitas pelos meus pares, sobre o dito. Feitas as explicações prévias, passemos ao furúnculo da questão.
Mesmo os mais distraídos, como eu, já reparam que a Quinta da Pancas tem sofrido um processo de renovação a todos os níveis. Rótulos, novos vinhos. São bonitos à vista. E tenho gostado, mais uns do que outros, do que vou bebendo.


Da nova vaga de vinhos, este arinto estreme vai ter, quase de certeza, lugar de destaque. Um destaque merecido, digo eu. Trata-se de um vinho com uma estatura e estrutura que me deixou impressionado. Os seus aromas ou cheiros provocaram uma porrada de sensações, que iam desde os estímulos mais vegetais, mais ou menos frutados, mais ou menos minerais, mais ou menos untuosos. A desmultiplicação de impressões era vasta. Os sabores eram, também, vastos. Profundamente finos, equilibrados e com uma frescura fortemente incisiva e precisa. Com muita classe.
Digamos que este vinho dá asas à nossa imaginação, permitindo-nos, portanto, enumerar um chorrilho de descrições sobre tudo e mais alguma coisa. Reservo-os para mim, pois alguns pareceram-me provocados pelo estado de ebriez


Não andando em cima de todas e mais algumas novidades, nem a beber tudo e mais alguma coisa, permitam-me que vos diga, preto no branco, que este vinho está no lote de vinhos brancos mais excitantes que bebi, neste ano de 2018 e no ano de 2017. E provavelmente um dos melhores. Valerá para aí, tendo em conta a realidade actual, uns 20 a 22 pontos. Sem favores.

Sem comentários: